quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Apreço escasso

Eu sei que aos teus olhos estou do avesso
E nossos ritmos em descompasso
Fracasso previsto desde o começo
Paixão arremessada do terraço

Na trajetória curta do arremesso
Antes da queda procura teu braço
Ou laço que alcance um recomeço
Mas tenta em vão, pois já é só cansaço

Confesso minha culpa em teu desapreço
Tirei meu valor e te dei em excesso
Não sobrou em mim sequer um pedaço

Por tanto merecer, não te mereço
O teu amor por mim eu mesmo impeço
Como estátua de gesso eu me estilhaço

v.:0.2

--
v.:0.1
11 Restando em mim apenas o palhaço

2 comentários:

  1. Com sentimento e face de poeta...
    seus versos sempre me encantam! =)
    bjoOo =**

    ResponderExcluir

Mundo Pittônico das Ideias